LOJA ONLINE

31 de ago. de 2022

Publicando livros e quadrinhos online (Lista do Zé #39)

 

Imagem de Splendor Blues, webtoon que coroterizei
Imagem de Splendor Blues, webtoon que coroterizei.

É raro encontrar por aí algum autor de primeira viagem que não sonhe em ter em suas mãos seu primeiro livro ou quadrinho impresso. Eu lembro do cheiro do meu primeiro fanzine (aquele cheiro de xerox barata de faculdade) e também do peso satisfatório do primeiro exemplar de Quem Matou João Ninguém?, meu primeiro álbum publicado. Mas pode ser que você seja de uma geração diferente da minha e, no fim das contas, só queira mesmo ser lido, sem ter que derrubar umas árvores pra isso. Então vamos falar de publicação digital.

A publicação digital não é mais uma coisa do futuro, é um mercado que já pulsa forte já há algum tempo. No lado da literatura, a coisa já tá muito avançada e vender ebooks na Amazon é um caminho muito bem estabelecido e explorado por autores e editoras. Eu tenho, sim, meu receios com a toda poderosa livraria online, mas não posso negar que ela criou um ecossistema fértil para autores que queiram se autopublicar. Através de um sistema próprio qualquer escritor pode disponibilizar seu livro e estabelecer um preço (do qual a Amazon vai ficar um percentual). O sistema não substitui as imprescindíveis funções do editor, diagramador e etc., mas quebra um galho danado se você não tem grana pra essas coisas. Além disso, a plataforma é uma rede social e, conforme recebe avaliações, seu livro é indicado pra outros leitores e pode crescer muito organicamente. Foi isso que aconteceu com meu ebook Mata-mata, que, sem grana para divulgação (mas com um grande esforço meu e da Editora Draco), ficou meses entre os contos mais lidos da plataforma. Chegamos a muita gente como você pode ver pelas avaliações e comentários sobre ele na Amazon.

Mas você pode querer ainda mais interação social, então a indicação são redes sociais para escritores, como o Wattpad. Você cria o seu perfil e pode publicar seus textos, curtos ou longos, e receber comentários de outros usuários da plataforma. Se procurar na internet, você vai encontrar histórias de autores conhecidos que começaram a conquistar seus primeiros leitores (e contratos com editoras grandes) por lá.

E nos quadrinhos? A Amazon também oferece suporte para publicar HQs, que inclusive podem ser lidas pelo seu popular dispositivo Kindle. No entanto, a experiência para o leitor ainda fica a anos luz da versão impressa. Se para literatura há um sem fim de comodidades para o leitor (você pode mudar a fonte, consultar dicionários, marcar trechos do livro etc.), para o leitor de quadrinhos resta a frustração das versões mais baratas do Kindle não terem cores e ainda a péssima experiência com imagens.

Para quadrinhos online, outras plataformas tem apresentado soluções mais interessantes, como o Tapas e o Webtoon. Ambas oferecem a possibilidade de você publicar quadrinhos online, com uma série de recursos interessantes para o leitor.

Aqui cabe um parêntese, onde precisamos separar quadrinhos feitos para serem impressos e que são adaptados para serem lidos de forma digital e quadrinhos criados especialmente para o meio digital. O Tapas oferece uma experiência muito legal se você já fez o quadrinho para ser impresso e pretende só criar uma versão digital (ou se vai publicar digital, mas pensa em imprimir em algum momento). Já o Webtoon aperfeiçoou o que nos primórdios da internet a gente chamava de webcomics, ou seja, quadrinhos que se aproveitam do digital para fornecer experiências que não são possíveis em papel. O grande desafio, nesse caso, é pensar a HQ, desde o começo, como um produto para Webtoon, o que inclui coisas como esquecer a dinâmica tradicional das páginas: você vai trabalhar quase quadro a quadro, podendo ainda usar o “rolar” da página para oferecer experiências de leitura para o leitor. É possível adicionar movimento com GIFs e até sons. Tudo isso fez esta plataforma, criada na Coreia do Sul, crescer de forma brutal. Hoje inclusive o Webtoon já apresenta ferramentas onde você pode ser remunerado pelos fãs do seu trabalho através da plataforma (numa integração com o Patreon). Mas tem um ponto negativo: dificilmente sua HQ feita para usar os recursos do Webtoon funcionará da mesma forma impressa. Acrescente aí que o público do Webtoon é diferente do público tradicional de quadrinhos. Estamos falando de leitores jovens, com maior disposição para o estilo oriental de fazer quadrinhos (mangás e manhwas).

Aí eu deixo uma dica para quem quer experimentar o Webtoon: a plataforma tem uma série de tutoriais para você construir sua HQ aproveitando o que há de melhor nela. Mas como está tudo em inglês lá, eu recomendo mesmo é esse guia maravilhoso que Ale Presser fez com um monte de informações pra quem quer publicar no Webtoon.

Então na hora de escolher como vai disponibilizar seu livro ou quadrinho de forma digital, é preciso pensar primeiro qual seu objetivo. Quer vender? Talvez a Amazon e o Webtoon sejam os melhores caminhos para quem quer um retorno financeiro. Quer divulgar meu trabalho, criar um público e receber feedback? Então dê uma boa pesquisada no funcionamento do Wattpad e do Tapas.

O importante é não deixar de contar suas histórias.

 

Receba textos como este no seu e-mail:

* indicates required

30 de jun. de 2022

Quem é Arsène Lupin? (Lista do Zé #38)

 


Uma das coisas mais divertidas que assisti nos últimos tempos foi Lupin, série da Netflix inspirada num famoso personagem da literatura francesa. Agora vocês imaginam a minha alegria quando, pouco depois de ver a primeira temporada, fui convidado para um trampo para adaptar o livro original para quadrinhos? Foi uma delícia me debruçar sobre o personagem e hoje eu queria contar um pouquinho para vocês sobre isso. O texto abaixo é uma versão resumida (bem resumida mesmo) da proposta que a editora pediu antes que eu iniciasse o roteiro. Vamos tentar desvendar quem é Arsène Lupin?

Arsène Lupin, o ladrão de casaca foi o romance que reuniu as primeiras aventuras (em nove contos) de Arsène Lupin, famoso ladrão ficcional francês. No sentido de adaptar o máximo possível da obra original, costuramos os nove contos em uma história só na nossa história em quadrinhos. Dentro dessa estrutura, cinco contos compõe o esqueleto da obra: a tríade da prisão de Lupin (“A prisão de Arsène Lupin”, “Arsène Lupin na prisão” e “A fuga de Arsène Lupin”), que apresentam uma continuidade entre si; “O colar da rainha”, um conto de origem; e “Herlock Sholmes chega tarde demais”, que não só narra o encontro de Lupin com uma versão do detetive inglês, como também dá certa continuidade a tríade da prisão. As outras quatro histórias são contadas por Lupin, com mais ou menos detalhes, ao seu maior perseguidor, o inspetor Ganimard, em dois momentos da trama.

A maior parte das aventuras de Lupin coincide com a Belle Époque francesa, que durou de 1871 a 1914. No primeiro livro, a maioria das histórias acontece nos primeiros anos do século XX, exceto “O colar da Rainha'', que se passa no final do século XIX. A Belle Époque foi um período de grande otimismo e paz desfrutado pelas potências ocidentais, sobretudo as europeias, até o início da I Guerra Mundial. O ponto marcante desta época foi o estilo de vida boêmio e otimista, com destaque para a França, que se tornou o centro global de toda influência educacional, científica, médica e artística. A nação francesa era um polo difusor e Paris era o núcleo da Belle Époque mundial. Nas histórias de Lupin você percebe isso: há um uso sem moderação do autor de carros, máquinas fotográficas e outros itens extremamente modernos para a época. Vale destacar, enquanto movimento artístico da Belle Époque, o estilo “Art Nouveau”, um fazer ornamental de cores vibrantes e formas sinuosas, presente desde as fachadas dos edifícios até nos objetos decorativos, como joias (que aparecem bastante na história) e mobiliários. Todos esses elementos foram levados em consideração tanto na arte quanto na história da nossa adaptação para quadrinhos. Esse caldeirão de influências traz um tom leve e cheio de ironia para as histórias de Lupin, o que nos fez pensar que também deveríamos seguir essa proposta.

Mas quem é Arsène Lupin? Se na maioria das adaptações de Lupin se conhece de cara o rosto por trás do ladrão, o autor do personagem, Maurice Leblanc, através dos diálogos de seus personagens, sempre o viu como um camaleão:

“Arsène Lupin, o homem de mil disfarces, chofer, tenor, bicheiro, filho de família, adolescente, ancião, caixeiro-viajante marselhês, médico russo, toureiro espanhol!”

“Seu retrato? Como poderia fazê-lo? Vinte vezes vi Arsène Lupin e vinte vezes foi um ser diferente que me apareceu; ou antes, o mesmo ser de que vinte espelhos me teriam dado outras tantas imagens deformadas, cada uma com olhos diferentes, uma forma de rosto, um gesto, um vulto, um caráter próprio.”

Lupin, por sinal, é um nome inventado e não de nascença. A melhor pista para o verdadeiro nome do personagem está no conto “O colar da rainha” (mas não vou dar spoilers aqui...). É difícil até saber se todos os crimes atribuídos ao ladrão foram cometidos por ele mesmo... O ladrão se torna famoso e vira um queridinho da imprensa, que atribui todo crime não solucionado ao nosso ladrão. Claro que Lupin, em algumas histórias, chega a usar isso para manipular a imprensa e população a seu favor. Assim, para essa adaptação, definimos que Lupin era quase um fantasma, uma figura alegórica do imaginário parisiense. E ele ama isso, como ele mesmo diz:

“Tanto melhor que não possam nunca dizer com certeza: ‘Eis aqui Arsène Lupin’. O essencial é que digam sem medo de errar: ‘Arsène Lupin fez isso’.”

“Por que (...) hei de ter uma aparência definida? Por que não evitar o perigo de uma personalidade sempre igual? Meus atos já me revelam bastante. (...)”

Mais do que utilizar disfarces, Lupin assume IDENTIDADES diferentes. E ele é capaz de tudo para se passar por outra pessoa, inclusive elaboradas alterações corporais, enxertando produtos químicos em si mesmo ou ficando em uma posição por bastante tempo para mudar sua postura. E o que esse tipo de coisa fazia com a cabeça do personagem? Suas próprias falas denunciam que ele tem dificuldade de lidar com sua própria identidade e com as implicações psicológicas de uma vida sem rosto definido:

“Eu mesmo (...) não sei mais quem sou. Num espelho, não me reconheceria.”

“Está muito bem (...) mudar de personalidade como de camisa e escolher sua aparência, sua voz, seu olhar, sua letra. Mas acontece que a gente acaba não se reconhecendo mais no meio disso tudo, e isso é triste. Sinto atualmente o que devia sentir o homem que perdeu a sua sombra. Vou me procurar... e me encontrar.”

Por isso mesmo, em nossa história em quadrinhos, nos pareceu incorreto dar um rosto único a Arsène Lupin, já que trairíamos um dos principais conceitos do escritor Maurice Leblanc. Por sinal, isso é uma das coisas mais interessantes da leitura dessas histórias: muitas vezes demoramos a saber quem é ou onde está Lupin. Em alguns contos Lupin se revela no início, às vezes como narrador. Em outras vezes o conto é inteiro narrado por ele e só sabemos no final. Às vezes o narrador fala sobre um amigo próximo e descobrimos no desfecho que se tratava de Lupin. Isso faz da leitura do romance original uma coisa deliciosa, algo que tentamos levar para esse novo produto, fiel ao original, mas que soa como algo completamente novo, mesmo para os já iniciados no personagem.

 Compre agora a adaptação para quadrinhos de Arsène Lupin, o ladrão de casaca!


Receba textos como este no seu e-mail:

* indicates required
 

29 de mai. de 2022

Publicando seu livro ou quadrinho com financiamento coletivo (Lista do Zé #37)

 


Faltava nos meus textos um que falasse de financiamento coletivo. O motivo era que… eu nunca tinha participado de um. Mas o dia chegou e, no final do ano passado, disponibilizamos no Catarse uma campanha para financiar meus dois últimos livros. Vou te contar um pouco sobre como isso funciona.

Começando do básico: numa campanha de financiamento coletivo (em inglês, crowdfunding), você usa uma plataforma na internet para pedir AJUDA para financiar um projeto. Estamos falando de livros e quadrinhos aqui, mas se pode financiar absolutamente qualquer coisa (empresas, máquinas, startups, eventos, campanhas de caridade, CDs de bandas etc.). O princípio é fazer algo acontecer com a ajuda do público. O realizador só precisa ir ao site e informar quanto precisa, montar uma campanha atrativa e sair divulgando por aí. Esse texto é um resumo e foca nas campanhas do tipo “tudo ou nada”, onde você tem um prazo para arrecadar um montante em dinheiro de apoiadores e só recebe se alcançar uma meta. Recomendo conhecer as outras modalidades existentes, pode ser que outra atenda melhor a sua necessidade, ok?

Primeiro: preciso do livro pronto antes de montar a campanha? O ideal é que SIM. Quando sua campanha for ao ar, serão até 60 dias de muito trabalho de divulgação e depois toda uma logística de fechar o livro e enviá-lo aos apoiadores. Acrescentar nesse samba o final da escrita pode deixar o processo mais puxado do que ele já é e comprometer a qualidade do seu livro ou HQ. Não entre nessa! Termine seu original e leia o texto que escrevi falando sobre todas as formas de publicar o seu livro antes de tentar o financiamento coletivo.

Mas se você decidiu tentar essa forma de publicação, vamos entender primeiro as recompensas. Normalmente quem apoia uma campanha de financiamento coletivo recebe algo em troca. Existem níveis para essas recompensas, definidos pelo próprio realizador. No caso de um livro ou HQ, você pode começar, por exemplo, com um agradecimento no livro para quem apoiar com X reais, o livro físico para quem apoiar com Y reais, o livro físico junto com uma camisa para quem apoiar com Z reais e todas as recompensas anteriores mais um jantar com o escritor para quem apoiar com tantos reais. Preste atenção neste caso e vai perceber que, conforme acrescenta coisas além do seu livro físico nas recompensas, precisará também lembrar delas no orçamento final do projeto. Aí é que tá: uma campanha de financiamento coletivo começa com muito planejamento, porque é você quem define quanto quer pedir de apoio. Então vão ser necessárias muitas CONTAS. Felizmente as plataformas mais conhecidas do mercado oferecem apoio nesse momento, com planilhas pré-prontas e consultores para tirar dúvidas. Use e abuse disso.

Na fase de planejamento, você define um dia para a campanha começar e um prazo para ela acontecer. O tempo normal das campanhas é entre 40 e 60 dias, mas isso é flexível na maioria das plataformas. Menos tempo que isso pode ser insuficiente para arrecadar o que é necessário e mais tempo pode tirar um pouco o senso de urgência que é necessário para seus apoiadores investirem seu rico dinheirinho em você. Uma dica sobre esse momento é escolher um período tranquilo da sua vida para iniciar a campanha. Você vai trabalhar muito e se dedicar intensamente nesse período, melhor estar focado nisso.

Com a campanha no ar, agora é divulgar por aí. Essa talvez seja a etapa mais difícil. Quem já lançou um livro sabe a dificuldade que é conseguir espaço para falar sobre ele e vendê-lo, agora imagina fazer isso sem ter o produto pronto? Falando da minha experiência, durante o tempo da campanha me comprometi a produzir conteúdos para as minhas redes sociais diariamente (algo que cada vez menos tenho ânimo). Mas o que trouxe mais resultado foi o contato INDIVIDUAL com cada seguidor. Diariamente eu usava as mensagens diretas do Instagram ou o Messenger do Facebook para enviar mensagens para amigos. Cansou (e exigiu um certo nível de cara-de-pau a qual eu não estou acostumado), mas deu muito resultado.

Depois do final do prazo da campanha, se ela foi bem sucedida, é hora de cumprir suas promessas, afinal é isso que as recompensas da campanha representam para o apoiador. A plataforma vai lhe mandar uma relação completa dos apoiadores com as recompensas escolhidas. Você vai arrumar pacotes e dar conta do envio de todos, incluindo possíveis extravios. O que alguns colegas do meio têm recomendado é colocar no orçamento do projeto um valor para contratar pessoas para ajudar nessa etapa. Organizar recompensa por recompensa, fazer pacotes e postá-los é mais trabalhoso do que parece.

Outra coisa essencial durante toda a campanha, mas ainda mais importante depois dela, é a comunicação. Todos os apoiadores são adicionados numa lista de e-mail pela plataforma e você consegue estar em contato direto com eles o tempo todo, atualizando, por exemplo, sobre o andamento das entregas de recompensas. Pelo grupos de WhatsApp que participo há sempre conversas sobre essa etapa, sobre como alguns projetos atrasam o seu andamento por diversos motivos e seus realizadores nem ao menos avisam aos apoiadores sobre o que está acontecendo. E, sim, projetos atrasados em ANOS são mais comuns do que deveriam ser. Atrasar é comum e esperado, especialmente se a campanha é de um autor independente, só tente ser transparente com seus apoiadores a respeito e mantenha-os informados sobre tudo.

Tive a tremenda sorte de ter a Editora Draco como parceira na minha campanha e boa parte dessas etapas foi administrada por eles, que já tem quase 40 campanhas financiadas nessa modalidade. Quando a campanha começou, pude contar com minha própria base de fãs e ainda a base de apoiadores regulares da editora. Eu falo isso para fechar esse texto com uma das questões mais importantes do financiamento coletivo: é preciso ter muitos fãs/seguidores para ter sucesso na campanha? A resposta é não, mas não ter uma base de fãs vai deixar tudo um pouco mais desafiador. A maioria das plataformas de crowdfunding funciona como redes sociais, ou seja, há pessoas circulando por esses sites procurando projetos interessantes para apoiar. Isso ajuda o autor iniciante, mas pode não ser suficiente. Se você está indo para esse tipo de plataforma lançar seu primeiro livro prepare-se para trabalhar muito na fase de captação de apoiadores. As emoções serão intensas.

Por fim, entre em projetos bem sucedidos que parecem com o seu e estude-os. Qual o valor total que eles buscavam? Quantos apoiadores tiveram? Quais recompensas ofereceram e quanto cobraram por elas? Como eles apresentaram o projeto na plataforma? Anote as respostas e mãos à obra no planejamento.

x x x

 Ah, meus livros lançados no Catarse já estão disponíveis na minha loja online.

E tem promoção no combo, com direito a dedicatória e brinde. Aproveite:


 

Receba textos como este no seu e-mail:

* indicates required



19 de nov. de 2021

Como publicar meu livro ou quadrinho? (Lista do Zé #36)

 

Eu sou capaz de apostar que, se você é um escritor ou quadrinista no início de carreira, está cheio de dúvidas sobre como tornar viável seu próximo (ou primeiro) trabalho. Era uma das minhas grandes dúvidas. Hoje eu queria falar aqui sobre algumas formas possíveis de colocar o seu trabalho na rua, na mão do leitor.

Mas, primeiro

Esse tema não foi escolhida à toa. Eu mesmo vou experimentar uma nova forma de financiar e distribuir meu novo trabalho. Depois de alguns anos usando o combo edital-editora, chegou a hora de me arriscar no financiamento coletivo, ainda em parceria com a Editora Draco, que sempre comprou minhas ideias. É dessa forma que queremos colocar no mundo uma inédita edição impressa de “Mata-mata”, ebook que lancei no final do ano passado. Essa versão inclui uma nova revisão do material lançado online e ainda uma série de contos, cordéis e ilustrações que contam o ANTES e o DEPOIS da história original. Sim, é a hora de entender melhor a família Tainha, se embrenhar nos confrontos entre irmãos no evento Mata-mata e saber o que aconteceu com os personagens principais depois do trágico fim do ebook.

A campanha também vai nos ajudar a reimprimir alguns trabalhos meus que estão esgotados (se está faltando alguma HQ minha na sua coleção, fique atento) e ainda a pôr no mundo um OUTRO trabalho meu. Mas sobre esse livro novo eu falarei na próxima semana…

A campanha está prevista para começar no próximo dia 25/11 (quinta-feira), com condições especialíssimas para os primeiros apoiadores. Por isso mesmo, convido você a clicar no banner abaixo e se cadastrar para ser um dos primeiros a receber as novidades sobre o projeto no site da pré-campanha:

 

Clique na imagem para saber mais e apoiar o projeto

As formas de publicar seu primeiro trabalho

Esse texto não pode iniciar de outra forma que não seja essa: você não precisa de dinheiro para colocar suas histórias no mundo. Se sua vontade é apenas colocar para fora o que está dentro de você, existem um monte de formas para divulgar gratuitamente seus textos pela internet, seja em redes sociais para escritores, como o Wattpad, e quadrinistas, como o Tapas, ou mesmo publicando online na Amazon. Nem há cem anos grana era um impedimento para publicar, imagina agora.

Mas a verdade é que muito escritor ainda tem aquele fetiche de ver o seu trabalho impresso, o que leva a custos de impressão. E mesmo quem fica tranquilo em colocar seu trabalho apenas no mundo digital pode querer pelo menos contratar alguém para editar, revisar e diagramar o trabalho (entre outros serviços), que fazem uma diferença BRUTAL na forma como as pessoas vão ver um livro. Mas como bancar isso?

A primeira forma é do próprio bolso. Reza a lenda que o escritor André Vianco bancou a produção do seu primeiro livro com o seu FGTS. Sem dúvidas, se você tem essa possibilidade, é aquela em que haverá mais liberdade para desenvolver o seu livro. Se você quer apenas ter o gostinho de ver seu trabalho pronto, essa modalidade cumprirá esse papel. Mas, mesmo dispondo dos recursos para isso, pense que essa autopublicação pode deixar você com um monte de livros no guarda-roupa e não cumprir a função de apresentar devidamente seu trabalho para os leitores, por conta das próprias limitações que o autor tem para divulgar e distribuir seu trabalho sozinho. Eu gosto sempre de sugerir que essa seja a última alternativa. Vamos explorar outras possibilidades, pela ordem que eu sugiro que você as procure.

Quando se fala do mercado editorial, lembra-se logo das editoras. Com uma boa editora (e aqui friso o “boa”, porque existem as que não são também) seu trabalho pode chegar a mais gente, fora o acabamento profissional que uma editora pode dar. O processo de publicação por elas varia bastante, mas geralmente você procura no site ou outros canais de comunicação da editora as chamadas regras de submissão ou de envio de originais. Geralmente você envia o original pronto do seu livro para que ele seja lido por alguém da editora... e espera. O mais comum é que as editoras respondam apenas aos autores dos livros que ficaram interessadas e essa resposta pode demorar meses. A sugestão é: 1) estudar bastante as editoras disponíveis e mandar para aquelas que possuam uma linha editorial próxima da sua história (procure editoras com livros que pareçam o seu) e 2) se nas regras da editora que é seu alvo não falar nada do contrário, envie seu original para mais de uma editora ao mesmo tempo. Aí, aguarde dois ou três meses (tempo médio para análise). Se não tiver resposta, parta para o próximo passo.

Já falei em outro texto sobre editais, mas resumindo bem resumido: você participa da seleção de um órgão governamental ou de uma empresa que está disposta a patrocinar a publicação de seu livro ou HQ. Participar de editais exige primeiro que você esteja de antena ligada para saber quando eles estão abertos (usar alertas no Google pode ajudar bastante). As seleções normalmente são bem concorridas e eu nem considero essa a parte mais difícil desse processo. As principais complicações são: 1) você vai gerir a grana que receber para fazer o seu livro, logo terá que gerenciar e articular todos os prestadores de serviço necessários, e 2) envolve muita, mas muita burocracia. Se você lida bem com o ponto 1, mas não com o ponto 2, talvez a próxima modalidade sirva melhor para você.

O crowdfunding, ou financiamento coletivo, surgiu para que você possa mobilizar pessoas que gostam ou acreditam no seu trabalho no sentido de viabilizá-lo. Você vai criar um projeto num site próprio para isso, como o Catarse ou o Kickante, e vai divulgar o máximo possível para outras pessoas. Hoje já existem várias modalidades de crowdfunding, na mais comum você define uma meta financeira e tem um prazo entre 40 e 60 dias para arrecadar a grana que precisa. Se conseguir atingir a meta, parabéns, você vai receber a grana que precisa para viabilizar seu livro. Se não conseguir, você não recebe nada (claro) e o dinheiro é devolvido para quem te apoiou. Essa é uma outra forma interessante de não depender de ninguém. Por outro lado, exige MUITA organização, desde o momento em que você tem que definir o valor que precisa, com muito cuidado para não faltar dinheiro, passando pela eletrizante fase de divulgar o trabalho e chegando até o momento de enviar as recompensas para os apoiadores do projeto. Todas essas fases exigem bastante planejamento. Já vi colegas construírem suas carreiras baseadas em crowdfunding com muito sucesso. E já vi outros enlouquecerem em campanhas e prometerem nunca mais se meter em algo do tipo. Analise bem como funciona esse processo antes de entrar nele. Por sorte, as plataformas oferecem ajuda para os proponentes.

Lembrando que você pode misturar modalidades, como edital para financiar a produção somada com crowdfunding para distribuir ou ainda crowdfunding para arrecadar fundos e editora para distribuir etc. São vários caminhos, estude o que os outros autores estão fazendo e encontre o seu. Só não vale guardar suas ideias só para si.


Receba textos como este no seu e-mail:

* indicates required


18 de out. de 2021

Viver de escrever? (Lista do Zé #35)

 

Hoje eu me peguei pensando que uma boa forma de me conhecer como artista seria entrevistando minha esposa. Vez por outra me perguntam sobre minha rotina e sobre produtividade (uma FARSA que será tema de um do texto meu muito em breve) e conversando com ela nesses dias percebi que é impossível ter uma rotina bonitinha com a vida profissional a que me propus. Se um entrevistador chegasse para a dona Lara com a proposta de perguntar sobre o dia a dia do marido dela, ela provavelmente diria que fica tonta só pensar no meu cérebro organizando, o tempo todo, minhas pendências de trabalho. Na profissão de escritor no Brasil, escrever é só um um pedaço da coisa. Um pedaço BEM PEQUENO em vários momentos.

Rotina? Agora estou escrevendo esse texto para enviar para uma lista de e-mails, daqui a pouco estarei resolvendo uma pendência numa prestação de contas de edital, logo depois preciso conferir o que tenho de recebimentos pendentes e à noite... Bom, à noite eu vou dar aula na faculdade (meu plano A, porque não posso chamar de plano B o que paga a maior parte das minhas contas). "E você não escreve?". Sim, em algum momento eu vou escrever, durante um longo período de dias, alucinado e focado (e deixando todas as outras coisas atrasarem). Enquanto isso, vou matando a burocracia que há por trás disso.

Apostar na escrita como profissão não é para quem é obcecado por rotina ou estabilidade (essa última é outra mentirinha capitalista). Eu demorei para entender isso, mas, quando finalmente entendi, consegui lidar muito melhor com as expectativas e frustrações que vem embarcadas em produzir arte no Brasil. E é uma coisa que pode demorar. Só depois de uma década nessa indústria vital, eu consegui falar (sem ficar envergonhado) que trabalho com isso. Talvez porque na primeira década eu mais gastava do que ganhava grana escrevendo.

Além da burocracia, tem um pouco mais... Para muita gente, meu trabalho como escritor é escrever e lançar livros autorais (aqueles feitos de forma natural, com ideias minhas mesmo). Fica escondido debaixo do tapete um sem fim de "freelas" que dão mais sustentabilidade financeira. Enquanto este ano eu lançava apenas uma obra inédita e autoral (já comprou sua Luzia?), eu estava fazendo também dois quadrinhos institucionais (encomendas para empresas), escrevendo 92 páginas de um roteiro de HQ encomendado por uma editora e ainda desenvolvendo alguns roteiros para vídeos institucionais. E falando em grana, não podemos esquecer dos eventos, que (quando pagam) são uma das melhores fontes financeiras desse ramo.

Resumindo: é preciso deixar um pouco de lado o romantismo dessa profissão. Meus amigos que vivem apenas disso, até mesmo alguns que podem se chamar de bestsellers, têm que ralar MUITO com atividades paralelas à escrita para conseguir, de vez em quando, lançar aquele trabalho que realmente saiu do coração deles.

Eu falei sem romantismo? Tá, vou me permitir uma coisa breguinha e cafona no final deste texto. A resposta que muito escritor dá quando lhe perguntam se ele vive de escrever, você já deve ter ouvido, é que eles ESCREVEM PARA VIVER. E é bem isso mesmo. A melhor forma de encarar essa atividade é entendendo que você faz porque precisa e, no decorrer do processo, vai botar para fora o que acha que precisa botar. Para mim, hoje, isso é um grande privilégio.


Receba textos como este no seu e-mail:

* indicates required


2 de mai. de 2021

A bíblia de Luzia (Lista do Zé #34)

 

São muitas etapas para construir uma história... E hoje eu revelar uma das que eu mais gosto de fazer, que é escrever a "bíblia do projeto". Vem comigo?

Mas antes é importante dizer que meu mais novo trabalho, Luzia, já está disponível para venda!

COMPRE AQUI

Sempre quando vou criar uma nova história, costumo fazer uma imersão no universo dos temas referentes a ela. Com Luzia não seria diferente. Dessa imersão surge, normalmente, um documento que norteia a construção do livro, que no roteiro para audiovisual chamam de “bíblia da história”. Pois bem, apresento a vocês a “Bíblia de Luzia”, escrita de mim para a desenhista Débora Santos, na intenção de complementar o roteiro que fiz para ela.
 
Essa é uma versão resumida. A original tem 20 páginas e bom... acho que seria um pouco demais para um texto no blog. Mantive aqui o que escrevi sobre o conceito geral da história e uma análise sobre as duas principais personagens (fiz para outros três personagens). Há spoilers, mas os coloquei em fundo preto (para ler, basta selecionar o texto ou copiar e colar no bloco de notas, mas recomendo só ler esses trechos depois que você ler a HQ ou o livro original). Antecipadamente peço perdão por não citar os autores originais de todos os textos que li na fase de pesquisa... Não costumo divulgar essa fase da minha criação, então não tive essa preocupação de anotar os nomes quando estava fazendo este documento. Se na época que montei esse material eu tivesse pensado que iria mostrar isso para outras pessoas, teria tomado o cuidado de anotar todas as referências. Enfim, meu principal objetivo aqui é mostrar para você um pouquinho dos bastidores do trabalho.


 

Conceito geral

Há uma passagem de Lúcia Miguel Pereira que tenta classificar Luzia-Homem como obra:

“Realista na forma, sem os tiques dos nossos naturalistas, talvez simbólico na concepção, sem ser simbolista, regionalista pelo tema, sem colocar o elemento local acima do humano, todas essas tendências ao mesmo passo se completando e se abrandando umas pelas outras, é difícil classificar este livro.”
 
Quando pensei pela primeira vez em Luzia-Homem desenhada como uma história em quadrinhos, comecei a refletir sobre como seria o estilo do desenho. O caminho mais óbvio que me vinha à mente era tentar entender o movimento literário ao qual ela fazia parte e buscar referências das artes visuais do mesmo movimento. O lugar onde LH é mais colocada na história literária é como obra naturalista-regionalista, com características realistas. No entanto, há uma certa polêmica quanto à essa classificação. O que se fala é que ela foi classificada assim obedecendo apenas a data de publicação. Mas, num dos trabalhos mais legais que li sobre LH (A pictórica em Luzia-Homem, do prof. José Leite de Oliveira Júnior), o autor defende que a obra seja classificada como impressionista.
 
Dei uma estudadinha sobre o impressionismo e achei muitas coisas legais, começando pelo conceito de que uma obra é uma impressão do momento, sintetizada na frase: quando você entra num rio pela segunda vez, ele já não é o mesmo que você conheceu na primeira (alguém importante disse isso, mas não anotei a referência). Visualmente, os principais pintores impressionistas são Monet, Manet, Renoir… Eu não acho que a gente deva levar esse estilo para o quadrinho (a não ser que você encontre uma forma confortável), mas achei interessante fazer esse preâmbulo, que de repente pode te inspirar de alguma forma.
 
Fora isso, quero manter algumas características do naturalismo, que tem uma visão mais crua da vida, especialmente quando falarmos da pobreza na história. Foi a pior seca que o nordeste já passou (1877-78-79), morriam 25.000 por ano no Ceará em decorrência dela (pra você ter uma ideia, Fortaleza tinha 30.000 habitantes na época). Os retirantes são um fenômeno maluco e que deixou malucos os governantes da época, chegando a haver campos de concentração para conter os pobres. Domingos Olímpio lança um olhar muitas vezes bem preconceituoso sobre essa massa de pessoas e ainda tem uma visão bem defensora do poder público. Percebe no romance original que ele não para de dizer como a Comissão de Socorros cuida dos pobres com sua esmola (que na verdade é um pagamento por um trabalho quase em condições de escravidão) ou que o julgamento do delegado e do promotor é justo? Domingos Olímpio era promotor público nessa época, então… De qualquer forma, quero aplicar uma visão mais real: vamos contar esse romance, mas, onde nos for possível, vamos também denunciar os descasos, respeitando (até onde for possível) a linha da história.
 
Voltando ao estilo, me veio a ideia maluca de trabalhar os cenários (quase sempre desérticos) a luz do impressionismo (com seus contornos difusos e pinceladas irregulares), mas quando aproximarmos dos personagens aplicarmos o naturalismo (evidenciando as rugas, ferimento, suor e sangue desse período complexo). Esse papo de movimento artístico me deu vontade de buscar algumas obras de artes (não só do impressionismo) para inspirar alguns quadros. Enfim, é só uma sugestão, beleza?

“Aquilo que não é ligeiramente disforme, parece insensível: disso decorre que a irregularidade, ou seja, o inesperado, a surpresa, o espanto são uma parte essencial e característica da beleza”.
Baudelaire, pintor impressionista
 
Filósofo em Meditação, Rembrandt - Luzia
Filósofo em Meditação, Rembrandt / Luzia

 

 Acho importante comentar com você alguns elementos relevantes nesta narrativa:

  • Luz - o nome de Luzia deriva de luz. O sol é parte importante da trama também.
  • Olhos - Santa Luzia é a padroeira da visão e tem em sua história uma relação com os olhos (eles são arrancados dela e servidos numa bandeja). Além disso, Luzia arranca o olho de Crapiúna no final do livro.
  • Cabelos - parte central do interesse por Luzia pelos homens. Ela constantemente os penteia, ela chega a os oferecer para conseguir dinheiro. Eles estão em destaque no final da história.
  • Cravo - a flor que Luzia recebe de Alexandre é também uma peça central, que inclusive marca o desenvolvimento da relação entre eles: 1) Luzia ganha os cravos; 2) Luzia devolve os cravos; 3) Alexandre traz os cravos de volta; 4) os cravos são trespassados pela faca de Crapíúna.
  • Julgamento - Domingos Olímpio era promotor, então a questão da justiça permeia toda a obra, seja diretamente (há um roubo e há intensa participação do delegado e do promotor para darem um final justo ao caso), bem como indiretamente (Luzia se sente sempre julgada pelos olhares dos outros).
  • Luzia-Homem como mito fundador de Sobral - é inegável a relação da personagem com a cidade. Entrevistei uma escritora sobralense [Carmélia Aragão, que acabou fazendo o posfácio da HQ] e ela me contou uma história de uma pessoa que ela conhecia ter relatado que sua avó tinha conhecido Luzia. Sabendo que se tratava de uma personagem fictícia, a escritora pediu para conhecer a avó da pessoa. Quando chegou lá, a tal mulher tirou um livro da estante e disse que contava a história para os filhos, ela mesma acreditando ter acontecido (é tipo a versão antiga de “se tá na internet é verdade”). E é isso. Aqui em Sobral várias pessoas pensam não se tratar de ficção. E vejo no texto do Domingos Olímpio (já sob influência do Realismo) um interesse em mostrar a cidade e seus personagens (muitos deles realmente estiveram aqui) buscando tornar tudo real. Uma questão que encontrei em outros artigos científicos sobre o livro foi: estaria o escritor tentando criar seu “Rômulo e Remo sobralense”? Essa linha tênue entre realidade e ficção (e a ligação com a cidade) é um elemento massa de explorar (de alguma forma foi uma das coisas que me fez querer adaptar o livro). Pensei em usar Raulino para conduzir isso, utilizando seus causos de uma forma diferente da história, quase como devaneios.
 
Vale falar um pouco sobre as personagens centrais.

Luzia


“A extraordinária mulher, que tanto impressionara o francês Paul, encobria os músculos de aço sob as formas esbeltas e graciosas das morenas moças do sertão. Trazia a cabeça sempre velada por um manto de algodãozinho, cujas curelas prendia aos alvos dentes, como se, por um requinte de casquilhice, cuidasse com meticuloso interesse de preservar o rosto dos raios do sol e da poeira corrosiva, a evolar em nuvens espessas do solo adusto, donde ao tênue borrifo de chuvas fecundantes, surgiam, por encanto, alfombras de relva virente e flores odorosas. Pouco expansiva, sempre em tímido recato, vivia só, afastada dos grupos de consortes de infortúnio, e quase não conversava com as companheiras de trabalho.” (Luzia-Homem, Domingos Olímpio)
 
Como trabalhar uma personagem que é chamada de “Luzia-Homem” e é identificada pelo autor como extremamente masculina durante boa parte da trama, mas ao mesmo tempo desperta interesse sexual não só em dois homens heterossexuais, mas em outros pela trama? É uma parada muito curiosa para uma obra de 1903 e deixa a história muito contemporânea. De qualquer forma, penso Luzia como uma típica cabocla cearense, com uma etnia próxima à indígena. Uma pista que me leva para esse caminho é sua origem no município de Ipu, berço dos Tabajaras, grupo do qual inclusive fazia parte Iracema, de José de Alencar (seria Luzia descendente da índia mais famosa da literatura cearense?). Pelas descrições de Domingos Olímpio, acho que seria errôneo trazer em seu corpo apenas características de etnias indígenas. Penso nela como uma misturinha mesmo, como são os sobralenses.
 
Há quem veja uma certa descoberta da feminilidade de Luzia no decorrer da história (me ajude com isso [apelo direcionado à Debora]). Gostaria de encobri-la mais no início e desnudá-la no decorrer da trama (nos sentidos físico e psicológico). Há alguns contrastes interessantes na narrativa para mostrar o cenário nessa evolução, afinal as primeiras descrições são quentes, no esforço da construção da penitenciária, até o findar da história, no meio à sempre verde e fértil Serra da Meruoca (que em um texto satírico sobre Sobral foi descrita como os alpes sobralenses).

“dura, indomável, aparentemente incapaz de verdejar em mostras de felicidade. Caem as primeiras chuvas: e a terra se cobre de riquezas. Vence Luzia os recalques de sua natureza sertaneja, ama; ei-la a revelar seus sentimentos femininos, puros, naturais”
Miécio Tati
 

Teresinha


“loura, delgada e grácil, de olhar petulante e irônico, toda ela requebrada em movimentos suaves de gata amorosa”
(Luzia-Homem, Domingos Olímpio)


Teresinha se enxerga como um final possível para Luzia, como um aviso de como as coisas serão se algo der errado. É assim que ela se apresenta, tentando impedir que a protagonista “chegue aonde ela chegou”. É uma síntese da mulher durante o período da história, embora ela exerça muito sua própria vontade, fugindo da família, por exemplo. Essas marcas de vida estão no seu corpo, que é como ela justifica sua magreza, suas sardas e seus “peitos murchos”. É DE LONGE minha personagem favorita na história.
 
Ah, e como eu poderia esquecer essa análise apurada da relação Luzia-Teresinha, que eu tentarei fazer guiar meu texto:

“A impressão que tive, até agora, é como se a Luzia fosse a dimensão da mulher pura, imaculada, inocente (por isso tão forte e destemida) e a Teresinha fosse a dimensão mundana, da experiência, de conhecer como as pessoas realmente são (as coisas que ela passou antes de chegar lá e ela ter tido a iniciativa de investigar e buscar uma solução pro caso do Alexandre, sem informar tudo à Luzia, como se ela fosse a responsável pelo trabalho sujo). Elas são a mulher idealizada e a mulher mundana, porém boa de coração, porque sua alma foi lavada pelo sofrimento que viveu. Vítima das circunstâncias, Teresinha pode sujar as mãos para poupar a Luzia do trabalho sujo. É quase que uma guardiã, uma mãe também, que reconhece a inocência dela e se apropria da tarefa de proteger e cuidar da Luzia. Essa coisa que a gente tem na nossa cultura nordestina mesmo da mulher servindo sempre alguém: a filha que cuida da mãe, a mulher que cuida de outra mulher, que cuida do homem amado, a gente vê tudo isso lá. E eu vejo isso muito presente nas mulheres da minha família também.”
(Débora Santos, estudiosa da amizade das mulheres, pelo WhatsApp)
 
 
Primeiros estudos de Teresinha, por Débora Santos

 
x x x
 
Enfim, isso é só um pouquinho dessa etapa do trabalho.
 
Convido você a conhecer Luzia comprando no link abaixo:
 

E a pergunta importante agora é: já leu Luzia? Ajuda MUITO se você divulgar em suas redes sociais ou deixar uma avaliação para o livro no Goodreads ou no Skoob. É só clicar nos links aí atrás para ir para a página do livro.

É sempre bom lembrar que o que eu penso eu registro no meu Instagram e no meu Twitter.

Receba textos como este no seu e-mail:

* indicates required

17 de jan. de 2021

Como começar uma história (Lista do Zé#33)

 

Eu acho que estava dentro de um ônibus quando uma história começou a nascer. Eu olhava para as margens semiáridas da estrada que partia ou chegava em Sobral, minha cidade, quando comecei a sonhar com uma história de… samurais. Era a história de um assassino aposentado. Agora ele era mendigo nas ruas de uma grande metrópole e, depois de receber a visita de um repórter, se viu obrigado a voltar à ativa contra a organização que o ensinou sobre a arte de matar. A história veio assim, quase toda, incluindo algumas boas ideias para um final (algo que acontece raramente). Estava com outros mil projetos na época, então anotei a ideia em vários pedacinhos de papel e pendurei num flanelógrafo no meu escritório. Quanto tempo essa ideia passou lá? Vou chutar aqui que uns cinco anos.

Essa introdução toda é apenas para iniciar uma conversa sobre um assunto que interliga várias perguntas comuns ao escritor iniciante: a) de onde vêm as ideias para as histórias ou b) como ter ideias para histórias ou c) por onde começar uma história. A resposta para essas perguntas é muito imprecisa, mas tem alguns caminhos mais comuns.


A maior parte das minhas ideias surge quando estou lendo um livro ou quadrinho ou assistindo um filme ou série. Quase sempre é um “e se...?”, uma variação daquilo que estou vendo. Eu nunca consigo desligar meu cérebro de escritor, nem mesmo quando estou com o material de outro artista. Isso significa que eu fico tipo público de show de mágica, tentando descobrir o segredo do truque daquilo que estou lendo/vendo. O truque, no caso, é descobrir a) como estão conseguindo me manter interessado naquela obra e b) como aquilo vai acabar. O item “b” é sempre muito interessante para gerar novas ideias… Às vezes eu tento adivinhar o final da história e falho miseravelmente. Aí eu olho para aquele final que eu pensei e, se eu achar ele melhor do que o que eu acabei de ver, provavelmente eu vou guardar aquela ideia de tentar “recontar” aquela história.

“Mas, Zé, isso não é plágio?”. Em alguns casos, pode ser. Então, CUIDADO. Eu poderia aqui indicar (e indico fortemente) que você veja o documentário Everything’s a remix, que explica que, no fim das contas, toda criação deriva de uma mistura de várias coisas que vieram antes, mas, antes, prefiro dizer que respeito muito as criações de outros colegas. Quando a vontade de recontar uma história vem, ela tem de vir junto com soluções que diferenciem a minha história daquela que deu origem a ela. Uma coisa que sempre me deixa muito tranquilo é que uma ideia minha passa por MUITOS tratamentos (uma forma de chamar as revisões e reconstruções da história, enquanto ela ainda está sendo criada). São tantas idas e vindas, que é muito provável que qualquer coisa que assemelhe a minha história a outra que a inspirou vire um sopro no produto final. Construir uma história inspirada em outras é o caminho mais comum do escritor iniciante, que muitas vezes quer fazer seu próprio Cavaleiros do Zodíaco, X-Men, Senhor dos Anéis ou Star Wars. O grande desafio é encontrar a forma de se inspirar sem ser um genérico. Às vezes a gente só precisa olhar um pouco ao redor.

Ideias podem vir também da simples observação do mundo. Já dizia o poeta Jessier Quirino que escritores são “prestadores de atenção”. Uma situação que você observou ou, MELHOR AINDA, que aconteceu com você, pode ser o pontapé inicial para uma história. Uma coisa que aprendi é que as melhores histórias que já contei são aquelas que advém de coisas que mexeram comigo. É muito provável que falar sobre algo que incomoda você faça muitas outras pessoas se identificarem com a sua história. Lembro de ouvir um podcast com o escritor e quadrinista Lourenço Mutarelli falando sobre seu método criativo, que constava em sentar numa praça, observar as pessoas e tentar imaginar o que elas estavam passando naquele momento. Em Steampunk Ladies: Choque do futuro, há uma sequência onde dois garotos fazem pouco de uma garota quando ela os convida para brincar de boneca. Essa cena é inspirada numa situação vivida por mim, quando flagrei um garoto fazendo pouco da minha filha numa situação parecida. Quem já leu a HQ sabe que a garotinha dá a volta por cima. É assim que escritores se vingam da vida real: escrevendo histórias.

Corta agora para o final de 2020: surge um edital da Lei Aldir Blanc na minha cidade (já falei sobre editais aqui). Foram várias seleções de projetos pelo Brasil nessa lei e a principal característica de todos era um prazo apertadíssimo. Mas que história eu inscreveria naquele edital, tendo ela que ser inédita e precisando estar pronta em menos de dois meses? Olhei para o flanelógrafo e vi os papeizinhos recortados da ideia que tive na estrada. Parecia boa, mas ainda me incomodava, porque parecia demais com outras histórias que já vi por aí. Para não cair no risco de copiar algo involuntariamente, eu precisava adicionar alguns elementos em busca de alguma originalidade. Foi aí que meu senso de prestador de atenção entrou em ação.

Na minha adolescência, a chegada de um garoto novo na escola causou estardalhaço por conta de um boato que correu pelos corredores: ele seria sobrinho de um famoso pistoleiro do estado. Se aquilo era verdade ou não, eu nunca vou saber. O fato é que essa história voltou na minha cabeça quando peguei aqueles papeizinhos, me fazendo transformar toda a ideia, começando por uma mudança de cenário para o Ceará. Claro que essa mudança também vem do meu atual movimento de escrever mais sobre coisas que estão ao meu redor. E assim nasceu Mata-mata: uma história sobre pessoas que vivem para matar outras (uma ideia construída em cima de outras), mas também uma história sobre família e legado (uma vivência).

Tudo isso começou com samurais, dá para acreditar? Engraçado que, relendo a história, comecei a entender melhor o porquê da arma da última morte, algo que rolou inconscientemente, eu juro...

De onde vem as inspirações para suas histórias?

 

Baixe Mata-mata gratuitamente clicando na imagem abaixo:

Receba textos como este no seu e-mail:

* indicates required

29 de nov. de 2020

Meus próximos lançamentos, em primeira mão (Lista do Zé #32)


Olá, olá!

É hora de revelar mais detalhes dos meus DOIS próximos lançamentos! E o melhor: por conta da CCXP Worlds, você já pode garantir suas cópias em pré-venda com condições especialíssimas.

Meu próximo quadrinho, Luzia, citado num e-mail anterior desta lista, já pode ser adquirido por apenas R$ 29,90 (frete incluso). Estamos nas etapas finais da HQ, então a previsão de envio é de até fevereiro de 2021. Mas, nesse exato momento, nós e a editora estamos dando o gás para que o livro esteja na sua casa antes disso. O fato é que só agora você terá o menor preço com frete incluso, então aproveite por que esta oferta só é válida até o dia 6 de dezembro. Garanta a sua aqui!

E tem lançamento surpresa: volto à literatura com a noveleta policial Mata-mata. E para você que está lendo este e-mail, é daquele jeito que eu sei que você adora: GRATUITO. Lançado (por enquanto) apenas em formato digital, este livrinho é um projeto transmídia que contará ainda com ilustrações, trilha sonora e até um áudio drama. O lançamento oficial será no dia 27 de dezembro e você pode garantir o seu agora sem nenhum custo. Você faz a "compra" na minha loja e no dia do lançamento o livro será enviado para o seu e-mail. Garanta o seu aqui!

Para saber mais sobre os lançamentos, role o e-mail um pouquinho para baixo. Falo também da minha participação na CCXP Worlds neste mesmo texto, incluindo uma intensa programação de eventos ao vivo, com palestras e bate-papos. Te espero lá!

 x x x



A Grande Seca, como foi conhecido um grande período de estiagem ocorrido no Nordeste de 1877 a 1879, foi o mais devastador fenômeno de seca da história do Brasil, e pode ter sido responsável pela morte de até meio milhão de pessoas. Em meio a uma multidão de retirantes no sertão de Sobral, cidade do interior do Ceará, Luzia sonha com uma vida melhor, enquanto lida com a doença da mãe e o assédio de um soldado. Por ter músculos fortes, força incomparável e características masculinizadas, ela ganha a alcunha de "Luzia-Homem". Mesmo neste clima desfavorável, a retirante vê florescer uma nova amizade e também um grande amor.

Adaptado para o cinema e para o teatro, Luzia-Homem é um clássico absoluto da literatura brasileira. Publicado pelo escritor cearense Domingos Olímpio no ano de 1903, descreve as agruras do sertanejo num dos períodos mais difíceis da história do Ceará, enquanto trata de temas como assédio e violência de gênero. Luzia é uma adaptação inédita do romance para os quadrinhos e tem roteiro de Zé Wellington (Cangaço Overdrive, Steampunk Ladies) e desenhos de Débora Santos (Gringo Love, Pombos). Este projeto é apoiado pela Lei Estadual de Incentivo à Cultura - Nº 13.811, de 16 de agosto de 2006.

x x x


Lançamento oficial em 27 de dezembro
Garanta sua cópia digital gratuita


Durante os anos 1980 e 1990, o Ceará e boa parte do Nordeste viveram um período caótico, no auge dos tempos de pistolagem. Políticos guerrearam muito além do campo das palavras, utilizando pistoleiros para executar adversários. Esses controversos matadores ganharam fama no período e eram temidos principalmente nas pequenas cidades. Já nos dias atuais, quando este período parecia ter ficado para trás, um assistente social se envolve no último serviço de um pistoleiro aposentado.

Mata-mata é uma noveleta de Zé Wellington, escritor e roteirista de histórias em quadrinhos como Cangaço Overdrive (semifinalista do Prêmio Jabuti) e Steampunk Ladies (vencedora do Troféu HQMIX). Esse projeto é financiado pela Chamada Pública 003/2020-SECJEL com fundamento na Lei Federal 14.017/2020, Lei Aldir Blanc de Emergência Cultural.

x x x


Na impossibilidade de realizar um evento presencial, a CCXP este ano segue para uma inovadora versão online. É só zapear pelo site oficial do evento pra ver que eles não estão de brincadeira. Além de uma incrível lista de convidados que inclui Neil Gaiman e Art Spiegelman, o evento vai oferecer uma experiência que foge do formato de conferências online que se popularizou durante a pandemia. Além disso, está garantido o espaço dos artistas, renomeado nesta versão para Artists' Valley. Uma boa parte do evento poderá ser acessado gratuitamente. Garanta seu acesso ao evento aqui.

Este aqui é o link do meu perfil na Artists' Valley da CCXP Worlds!

Por enquanto meu perfil tem apenas um preview das minhas HQs. Mas durante os dias do evento (04 a 06/12/20), você terá acesso a uma loja com meus produtos com preços muitos especiais e poderá interagir comigo e outros convidados em vários horários através de eventos online, que poderão ser assistidos através da plataforma da CCXP ou pelo Youtube. Na falta do contato pessoal com os leitores no evento, através do meu canal do Youtube (inscreva-se aqui) e também de outros colegas, vamos poder conversar sobre diversos assuntos em transmissões ao vivo. Confira os dias e horários abaixo:

04/12 (sexta-feira)


05/12 (sábado)
06/12 (domingo)

 

 

 

28 de set. de 2020

Vivo e ao vivo (Lista do Zé #31)


 

Como estão vocês? Por aqui seguimos bem. As coisas andam meio diferentes nos últimos meses (mas acho que vocês já perceberam) e, se em algum momento todo o contexto que a gente vive hoje pareceu uma espécie de pausa até que as coisas voltassem ao normal, essa sensação foi para as cucuias e o mundo engatou as marchas seguintes. Ainda que todo o mecanismo da coisa tenha mudado.

Eu acho que já falei aqui em algum momento que ano passado eu tive um ano bem montanha-russa, com um vale profundíssimo no primeiro semestre e uma subida rumo ao Everest no segundo. 2020 começava promissor e me preparei para tal: comprei material para expor os livros, reforcei meu estoque, agendei uma série de eventos e me livrei de alguns compromissos profissionais para abrir espaço para a escrita. Quando a pandemia começou ficou aquela sensação de que tudo isso era apenas um "break", vamos deixar as ideias guardadas para daqui a pouco. Mas depois de seis meses, sem a mínima condição de um planejamento a longo prazo, você começa a perceber que esperar não é uma boa estratégia. Com ou sem vacina, as coisas mudaram de verdade. Elas podem até vir a ser como antes em algum momento, mas está mais do que claro que isso pode demorar. Então é hora de ajustar o itinerário: entender o que é possível agora, respeitar suas próprias limitações e seguir numa nova direção.

Para um cara que tenta lidar diariamente com suas crises de ansiedade, planejar com incerteza não é lá muito fácil. Mas, no geral, até que as coisas têm funcionado bem. Ainda que tenha vivido um ou outro período explosivo, a vida seguiu nesse ano e muitos projetos voltaram a andar. Eu não penso mais no depois, já que não dá pra saber se e quando será.

Bom, isso é um desabafo (que pode, sei lá, servir para alguém), mas também uma justificativa, talvez longa demais, para um hiato aqui na lista. Esse final de ano, como a maioria dos finais de ano na minha vida, vai ser intenso, com a maratona para finalizar minha próxima HQ, a adaptação para quadrinhos do romance Luzia-Homem, enquanto vários outros projetos foram ajustados e outros criados para este novo momento. Então vou dando sinal de vida quando possível. Boas notícias virão muito em breve.

Espero.

Para receber textos como esse no seu e-mail, inscreva-se na minha lista: bit.ly/listadoze

 x x x



Talvez alguém aqui se interesse em saber que consegui finalmente fazer uma lojinha razoável no meu site oficial. Todas as minhas HQs estão lá, promocionalmente e por tempo limitado com frete grátis para todo Brasil. Como sai direto da minha casa, pode ir com dedicatória e sempre vai com brindes.

Os destaques são o retorno de Quem Matou João Ninguém? (meu primeiro álbum, de 2014) e os combos com precinhos especiais.

x x x

 


Amanhã estarei no Festival Nordestino de Economia Criativa. Meu irmão baiano Hugo Canuto e minha comparsa na dominação mundial dos quadrinhos nordestinos Thaïs Kisuki vão estar comigo num papo sobre fazer quadrinhos no nordeste, no dia 29 de setembro (terça-feira), a partir das 16h. O evento vai rolar dentro da programação do Festival Nordestino de Economia Criativa, uma realização dos Sebrae, que começa hoje. É tudo GRATUITO, basta se inscrever no site e o link pro evento vai chegar no seu e-mail: www.festivaleconomiacriativa.com.br

Vale a pena conhecer o restante da programação, que tem Patativa do Assaré, Movimento Armorial, cinema, games e mais um montão de coisas relacionadas com o fazer cultura do Nordeste.

x x x

 

Acho que vale a pena falar do montão de eventos que eu participei do meu último e-mail para cá, né? Todos disponíveis para serem assistidos/ouvidos.

  • Cangaço Overdrive foi tema do podcast Imaginários. Em episódio do podcast da Editora Draco, os editores Raphael Fernandes e Erick Sama receberam a mim e ao escritor Fábio Fernandes para conversar sobre meu quadrinho semifinalista do Prêmio Jabuti. Escute aqui.
  • Ainda sobre cyberpunk, rolou um debate sobre distopias nos quadrinhos nacionais. O papo aconteceu durante Painel Aberto de Quadrinhos, um evento da Com-Arte Jr., empresa júnior do curso de Editoração da ECA-USP. Além de mim, estiveram presentes o Gabriel Jardim, a Kione Ayo e o Isaac Santos. Assista aqui.
  • Rolou uma conversa pra lá de íntima sobre minha relação com quadrinhos. Foi no canal do Youtube do Estúdio Daniel Brandão. Conduzido pelo próprio Daniel, que antes de qualquer coisa é um amigo muito próximo, falei como nunca antes sobre minha carreira. Assista aqui.
  • Terror, regionalismo e quadrinhos no sertão, num bate-papo no Youtube. Conversei com o amigo e também escritor Márcio Benjamin, como parte da programação do Sesc ConVida. Assista aqui.
  • Teve também podcast sobre o fazer quadrinhos do Nordeste. Ainda como parte da programação do Sesc ConVida, participei de um podcast com outros quadrinistas nordestinos. Escute aqui.
  • Falei sobre criar histórias no sertão e no Ceará no Youtube. Na plataforma do Cultura Dendicasa, da Secretaria da Cultura do Ceará, saiu a minha participação no projeto num vídeo sobre a minha experiência escrevendo Cangaço Overdrive e os muitos aprendizados do processo. No final, indico vários quadrinhos de autores cearenses. Assista aqui.

 

Sigam minhas redes sociais, especialmente meu Instagram, para ficarem por dentro dos próximos eventos. Se precisarem entrar em contato, respondam este e-mail.

Se cuidem por aí.