LOJA ONLINE

2 de mai. de 2021

A bíblia de Luzia (Lista do Zé #34)

 

São muitas etapas para construir uma história... E hoje eu revelar uma das que eu mais gosto de fazer, que é escrever a "bíblia do projeto". Vem comigo?

Mas antes é importante dizer que meu mais novo trabalho, Luzia, já está disponível para venda!

COMPRE AQUI

Sempre quando vou criar uma nova história, costumo fazer uma imersão no universo dos temas referentes a ela. Com Luzia não seria diferente. Dessa imersão surge, normalmente, um documento que norteia a construção do livro, que no roteiro para audiovisual chamam de “bíblia da história”. Pois bem, apresento a vocês a “Bíblia de Luzia”, escrita de mim para a desenhista Débora Santos, na intenção de complementar o roteiro que fiz para ela.
 
Essa é uma versão resumida. A original tem 20 páginas e bom... acho que seria um pouco demais para um texto no blog. Mantive aqui o que escrevi sobre o conceito geral da história e uma análise sobre as duas principais personagens (fiz para outros três personagens). Há spoilers, mas os coloquei em fundo preto (para ler, basta selecionar o texto ou copiar e colar no bloco de notas, mas recomendo só ler esses trechos depois que você ler a HQ ou o livro original). Antecipadamente peço perdão por não citar os autores originais de todos os textos que li na fase de pesquisa... Não costumo divulgar essa fase da minha criação, então não tive essa preocupação de anotar os nomes quando estava fazendo este documento. Se na época que montei esse material eu tivesse pensado que iria mostrar isso para outras pessoas, teria tomado o cuidado de anotar todas as referências. Enfim, meu principal objetivo aqui é mostrar para você um pouquinho dos bastidores do trabalho.


 

Conceito geral

Há uma passagem de Lúcia Miguel Pereira que tenta classificar Luzia-Homem como obra:

“Realista na forma, sem os tiques dos nossos naturalistas, talvez simbólico na concepção, sem ser simbolista, regionalista pelo tema, sem colocar o elemento local acima do humano, todas essas tendências ao mesmo passo se completando e se abrandando umas pelas outras, é difícil classificar este livro.”
 
Quando pensei pela primeira vez em Luzia-Homem desenhada como uma história em quadrinhos, comecei a refletir sobre como seria o estilo do desenho. O caminho mais óbvio que me vinha à mente era tentar entender o movimento literário ao qual ela fazia parte e buscar referências das artes visuais do mesmo movimento. O lugar onde LH é mais colocada na história literária é como obra naturalista-regionalista, com características realistas. No entanto, há uma certa polêmica quanto à essa classificação. O que se fala é que ela foi classificada assim obedecendo apenas a data de publicação. Mas, num dos trabalhos mais legais que li sobre LH (A pictórica em Luzia-Homem, do prof. José Leite de Oliveira Júnior), o autor defende que a obra seja classificada como impressionista.
 
Dei uma estudadinha sobre o impressionismo e achei muitas coisas legais, começando pelo conceito de que uma obra é uma impressão do momento, sintetizada na frase: quando você entra num rio pela segunda vez, ele já não é o mesmo que você conheceu na primeira (alguém importante disse isso, mas não anotei a referência). Visualmente, os principais pintores impressionistas são Monet, Manet, Renoir… Eu não acho que a gente deva levar esse estilo para o quadrinho (a não ser que você encontre uma forma confortável), mas achei interessante fazer esse preâmbulo, que de repente pode te inspirar de alguma forma.
 
Fora isso, quero manter algumas características do naturalismo, que tem uma visão mais crua da vida, especialmente quando falarmos da pobreza na história. Foi a pior seca que o nordeste já passou (1877-78-79), morriam 25.000 por ano no Ceará em decorrência dela (pra você ter uma ideia, Fortaleza tinha 30.000 habitantes na época). Os retirantes são um fenômeno maluco e que deixou malucos os governantes da época, chegando a haver campos de concentração para conter os pobres. Domingos Olímpio lança um olhar muitas vezes bem preconceituoso sobre essa massa de pessoas e ainda tem uma visão bem defensora do poder público. Percebe no romance original que ele não para de dizer como a Comissão de Socorros cuida dos pobres com sua esmola (que na verdade é um pagamento por um trabalho quase em condições de escravidão) ou que o julgamento do delegado e do promotor é justo? Domingos Olímpio era promotor público nessa época, então… De qualquer forma, quero aplicar uma visão mais real: vamos contar esse romance, mas, onde nos for possível, vamos também denunciar os descasos, respeitando (até onde for possível) a linha da história.
 
Voltando ao estilo, me veio a ideia maluca de trabalhar os cenários (quase sempre desérticos) a luz do impressionismo (com seus contornos difusos e pinceladas irregulares), mas quando aproximarmos dos personagens aplicarmos o naturalismo (evidenciando as rugas, ferimento, suor e sangue desse período complexo). Esse papo de movimento artístico me deu vontade de buscar algumas obras de artes (não só do impressionismo) para inspirar alguns quadros. Enfim, é só uma sugestão, beleza?

“Aquilo que não é ligeiramente disforme, parece insensível: disso decorre que a irregularidade, ou seja, o inesperado, a surpresa, o espanto são uma parte essencial e característica da beleza”.
Baudelaire, pintor impressionista
 
Filósofo em Meditação, Rembrandt - Luzia
Filósofo em Meditação, Rembrandt / Luzia

 

 Acho importante comentar com você alguns elementos relevantes nesta narrativa:

  • Luz - o nome de Luzia deriva de luz. O sol é parte importante da trama também.
  • Olhos - Santa Luzia é a padroeira da visão e tem em sua história uma relação com os olhos (eles são arrancados dela e servidos numa bandeja). Além disso, Luzia arranca o olho de Crapiúna no final do livro.
  • Cabelos - parte central do interesse por Luzia pelos homens. Ela constantemente os penteia, ela chega a os oferecer para conseguir dinheiro. Eles estão em destaque no final da história.
  • Cravo - a flor que Luzia recebe de Alexandre é também uma peça central, que inclusive marca o desenvolvimento da relação entre eles: 1) Luzia ganha os cravos; 2) Luzia devolve os cravos; 3) Alexandre traz os cravos de volta; 4) os cravos são trespassados pela faca de Crapíúna.
  • Julgamento - Domingos Olímpio era promotor, então a questão da justiça permeia toda a obra, seja diretamente (há um roubo e há intensa participação do delegado e do promotor para darem um final justo ao caso), bem como indiretamente (Luzia se sente sempre julgada pelos olhares dos outros).
  • Luzia-Homem como mito fundador de Sobral - é inegável a relação da personagem com a cidade. Entrevistei uma escritora sobralense [Carmélia Aragão, que acabou fazendo o posfácio da HQ] e ela me contou uma história de uma pessoa que ela conhecia ter relatado que sua avó tinha conhecido Luzia. Sabendo que se tratava de uma personagem fictícia, a escritora pediu para conhecer a avó da pessoa. Quando chegou lá, a tal mulher tirou um livro da estante e disse que contava a história para os filhos, ela mesma acreditando ter acontecido (é tipo a versão antiga de “se tá na internet é verdade”). E é isso. Aqui em Sobral várias pessoas pensam não se tratar de ficção. E vejo no texto do Domingos Olímpio (já sob influência do Realismo) um interesse em mostrar a cidade e seus personagens (muitos deles realmente estiveram aqui) buscando tornar tudo real. Uma questão que encontrei em outros artigos científicos sobre o livro foi: estaria o escritor tentando criar seu “Rômulo e Remo sobralense”? Essa linha tênue entre realidade e ficção (e a ligação com a cidade) é um elemento massa de explorar (de alguma forma foi uma das coisas que me fez querer adaptar o livro). Pensei em usar Raulino para conduzir isso, utilizando seus causos de uma forma diferente da história, quase como devaneios.
 
Vale falar um pouco sobre as personagens centrais.

Luzia


“A extraordinária mulher, que tanto impressionara o francês Paul, encobria os músculos de aço sob as formas esbeltas e graciosas das morenas moças do sertão. Trazia a cabeça sempre velada por um manto de algodãozinho, cujas curelas prendia aos alvos dentes, como se, por um requinte de casquilhice, cuidasse com meticuloso interesse de preservar o rosto dos raios do sol e da poeira corrosiva, a evolar em nuvens espessas do solo adusto, donde ao tênue borrifo de chuvas fecundantes, surgiam, por encanto, alfombras de relva virente e flores odorosas. Pouco expansiva, sempre em tímido recato, vivia só, afastada dos grupos de consortes de infortúnio, e quase não conversava com as companheiras de trabalho.” (Luzia-Homem, Domingos Olímpio)
 
Como trabalhar uma personagem que é chamada de “Luzia-Homem” e é identificada pelo autor como extremamente masculina durante boa parte da trama, mas ao mesmo tempo desperta interesse sexual não só em dois homens heterossexuais, mas em outros pela trama? É uma parada muito curiosa para uma obra de 1903 e deixa a história muito contemporânea. De qualquer forma, penso Luzia como uma típica cabocla cearense, com uma etnia próxima à indígena. Uma pista que me leva para esse caminho é sua origem no município de Ipu, berço dos Tabajaras, grupo do qual inclusive fazia parte Iracema, de José de Alencar (seria Luzia descendente da índia mais famosa da literatura cearense?). Pelas descrições de Domingos Olímpio, acho que seria errôneo trazer em seu corpo apenas características de etnias indígenas. Penso nela como uma misturinha mesmo, como são os sobralenses.
 
Há quem veja uma certa descoberta da feminilidade de Luzia no decorrer da história (me ajude com isso [apelo direcionado à Debora]). Gostaria de encobri-la mais no início e desnudá-la no decorrer da trama (nos sentidos físico e psicológico). Há alguns contrastes interessantes na narrativa para mostrar o cenário nessa evolução, afinal as primeiras descrições são quentes, no esforço da construção da penitenciária, até o findar da história, no meio à sempre verde e fértil Serra da Meruoca (que em um texto satírico sobre Sobral foi descrita como os alpes sobralenses).

“dura, indomável, aparentemente incapaz de verdejar em mostras de felicidade. Caem as primeiras chuvas: e a terra se cobre de riquezas. Vence Luzia os recalques de sua natureza sertaneja, ama; ei-la a revelar seus sentimentos femininos, puros, naturais”
Miécio Tati
 

Teresinha


“loura, delgada e grácil, de olhar petulante e irônico, toda ela requebrada em movimentos suaves de gata amorosa”
(Luzia-Homem, Domingos Olímpio)


Teresinha se enxerga como um final possível para Luzia, como um aviso de como as coisas serão se algo der errado. É assim que ela se apresenta, tentando impedir que a protagonista “chegue aonde ela chegou”. É uma síntese da mulher durante o período da história, embora ela exerça muito sua própria vontade, fugindo da família, por exemplo. Essas marcas de vida estão no seu corpo, que é como ela justifica sua magreza, suas sardas e seus “peitos murchos”. É DE LONGE minha personagem favorita na história.
 
Ah, e como eu poderia esquecer essa análise apurada da relação Luzia-Teresinha, que eu tentarei fazer guiar meu texto:

“A impressão que tive, até agora, é como se a Luzia fosse a dimensão da mulher pura, imaculada, inocente (por isso tão forte e destemida) e a Teresinha fosse a dimensão mundana, da experiência, de conhecer como as pessoas realmente são (as coisas que ela passou antes de chegar lá e ela ter tido a iniciativa de investigar e buscar uma solução pro caso do Alexandre, sem informar tudo à Luzia, como se ela fosse a responsável pelo trabalho sujo). Elas são a mulher idealizada e a mulher mundana, porém boa de coração, porque sua alma foi lavada pelo sofrimento que viveu. Vítima das circunstâncias, Teresinha pode sujar as mãos para poupar a Luzia do trabalho sujo. É quase que uma guardiã, uma mãe também, que reconhece a inocência dela e se apropria da tarefa de proteger e cuidar da Luzia. Essa coisa que a gente tem na nossa cultura nordestina mesmo da mulher servindo sempre alguém: a filha que cuida da mãe, a mulher que cuida de outra mulher, que cuida do homem amado, a gente vê tudo isso lá. E eu vejo isso muito presente nas mulheres da minha família também.”
(Débora Santos, estudiosa da amizade das mulheres, pelo WhatsApp)
 
 
Primeiros estudos de Teresinha, por Débora Santos

 
x x x
 
Enfim, isso é só um pouquinho dessa etapa do trabalho.
 
Convido você a conhecer Luzia comprando no link abaixo:
 

E a pergunta importante agora é: já leu Luzia? Ajuda MUITO se você divulgar em suas redes sociais ou deixar uma avaliação para o livro no Goodreads ou no Skoob. É só clicar nos links aí atrás para ir para a página do livro.

É sempre bom lembrar que o que eu penso eu registro no meu Instagram e no meu Twitter.

Receba textos como este no seu e-mail:

* indicates required

17 de jan. de 2021

Como começar uma história (Lista do Zé#33)

 

Eu acho que estava dentro de um ônibus quando uma história começou a nascer. Eu olhava para as margens semiáridas da estrada que partia ou chegava em Sobral, minha cidade, quando comecei a sonhar com uma história de… samurais. Era a história de um assassino aposentado. Agora ele era mendigo nas ruas de uma grande metrópole e, depois de receber a visita de um repórter, se viu obrigado a voltar à ativa contra a organização que o ensinou sobre a arte de matar. A história veio assim, quase toda, incluindo algumas boas ideias para um final (algo que acontece raramente). Estava com outros mil projetos na época, então anotei a ideia em vários pedacinhos de papel e pendurei num flanelógrafo no meu escritório. Quanto tempo essa ideia passou lá? Vou chutar aqui que uns cinco anos.

Essa introdução toda é apenas para iniciar uma conversa sobre um assunto que interliga várias perguntas comuns ao escritor iniciante: a) de onde vêm as ideias para as histórias ou b) como ter ideias para histórias ou c) por onde começar uma história. A resposta para essas perguntas é muito imprecisa, mas tem alguns caminhos mais comuns.


A maior parte das minhas ideias surge quando estou lendo um livro ou quadrinho ou assistindo um filme ou série. Quase sempre é um “e se...?”, uma variação daquilo que estou vendo. Eu nunca consigo desligar meu cérebro de escritor, nem mesmo quando estou com o material de outro artista. Isso significa que eu fico tipo público de show de mágica, tentando descobrir o segredo do truque daquilo que estou lendo/vendo. O truque, no caso, é descobrir a) como estão conseguindo me manter interessado naquela obra e b) como aquilo vai acabar. O item “b” é sempre muito interessante para gerar novas ideias… Às vezes eu tento adivinhar o final da história e falho miseravelmente. Aí eu olho para aquele final que eu pensei e, se eu achar ele melhor do que o que eu acabei de ver, provavelmente eu vou guardar aquela ideia de tentar “recontar” aquela história.

“Mas, Zé, isso não é plágio?”. Em alguns casos, pode ser. Então, CUIDADO. Eu poderia aqui indicar (e indico fortemente) que você veja o documentário Everything’s a remix, que explica que, no fim das contas, toda criação deriva de uma mistura de várias coisas que vieram antes, mas, antes, prefiro dizer que respeito muito as criações de outros colegas. Quando a vontade de recontar uma história vem, ela tem de vir junto com soluções que diferenciem a minha história daquela que deu origem a ela. Uma coisa que sempre me deixa muito tranquilo é que uma ideia minha passa por MUITOS tratamentos (uma forma de chamar as revisões e reconstruções da história, enquanto ela ainda está sendo criada). São tantas idas e vindas, que é muito provável que qualquer coisa que assemelhe a minha história a outra que a inspirou vire um sopro no produto final. Construir uma história inspirada em outras é o caminho mais comum do escritor iniciante, que muitas vezes quer fazer seu próprio Cavaleiros do Zodíaco, X-Men, Senhor dos Anéis ou Star Wars. O grande desafio é encontrar a forma de se inspirar sem ser um genérico. Às vezes a gente só precisa olhar um pouco ao redor.

Ideias podem vir também da simples observação do mundo. Já dizia o poeta Jessier Quirino que escritores são “prestadores de atenção”. Uma situação que você observou ou, MELHOR AINDA, que aconteceu com você, pode ser o pontapé inicial para uma história. Uma coisa que aprendi é que as melhores histórias que já contei são aquelas que advém de coisas que mexeram comigo. É muito provável que falar sobre algo que incomoda você faça muitas outras pessoas se identificarem com a sua história. Lembro de ouvir um podcast com o escritor e quadrinista Lourenço Mutarelli falando sobre seu método criativo, que constava em sentar numa praça, observar as pessoas e tentar imaginar o que elas estavam passando naquele momento. Em Steampunk Ladies: Choque do futuro, há uma sequência onde dois garotos fazem pouco de uma garota quando ela os convida para brincar de boneca. Essa cena é inspirada numa situação vivida por mim, quando flagrei um garoto fazendo pouco da minha filha numa situação parecida. Quem já leu a HQ sabe que a garotinha dá a volta por cima. É assim que escritores se vingam da vida real: escrevendo histórias.

Corta agora para o final de 2020: surge um edital da Lei Aldir Blanc na minha cidade (já falei sobre editais aqui). Foram várias seleções de projetos pelo Brasil nessa lei e a principal característica de todos era um prazo apertadíssimo. Mas que história eu inscreveria naquele edital, tendo ela que ser inédita e precisando estar pronta em menos de dois meses? Olhei para o flanelógrafo e vi os papeizinhos recortados da ideia que tive na estrada. Parecia boa, mas ainda me incomodava, porque parecia demais com outras histórias que já vi por aí. Para não cair no risco de copiar algo involuntariamente, eu precisava adicionar alguns elementos em busca de alguma originalidade. Foi aí que meu senso de prestador de atenção entrou em ação.

Na minha adolescência, a chegada de um garoto novo na escola causou estardalhaço por conta de um boato que correu pelos corredores: ele seria sobrinho de um famoso pistoleiro do estado. Se aquilo era verdade ou não, eu nunca vou saber. O fato é que essa história voltou na minha cabeça quando peguei aqueles papeizinhos, me fazendo transformar toda a ideia, começando por uma mudança de cenário para o Ceará. Claro que essa mudança também vem do meu atual movimento de escrever mais sobre coisas que estão ao meu redor. E assim nasceu Mata-mata: uma história sobre pessoas que vivem para matar outras (uma ideia construída em cima de outras), mas também uma história sobre família e legado (uma vivência).

Tudo isso começou com samurais, dá para acreditar? Engraçado que, relendo a história, comecei a entender melhor o porquê da arma da última morte, algo que rolou inconscientemente, eu juro...

De onde vem as inspirações para suas histórias?

 

Baixe Mata-mata gratuitamente clicando na imagem abaixo:

Receba textos como este no seu e-mail:

* indicates required