25 de maio de 2010

Dude, we are lost!

 

Em 2004, zapeando pela web, encontrei um texto onde o colunista Roberto Sadowski, ex-editor da revista SET, indicava um seriado sobre náufragos como uma novidade de fritar o cérebro. Fiquei curioso, mas na época não era tão fácil encontrar séries pela Internet. Demoraria até que a Rede Globo anunciasse a novidade na TV aberta, num inconveniente domingo à noite. Inconvenientes também seriam os horários dos episódios seguintes, nas madrugadas dos dias letivos. Mal consegui encarar a metade da primeira temporada. Dessa forma, estacionei em Lost por alguns anos, até decidir "maratonear" todas as temporadas. Não foi um desafio muito fácil.

Por conta de falta de tempo tive que interromper várias vezes o processo. Mas fui adiante, acompanhando atrasado, inclusive, os ARGs e peças soltas pela internet (ou "Missing Pieces"). Não li os livros derivados da série, mas bem que gostaria de ter lido. Minha maratona de atualização terminou exatamente junto com o último episódio da 5ª temporada, o que me deu a oportunidade de acompanhar a 6ª quase em tempo real. Ontem assisti ao último episódio de Lost. Difícil evitar as lágrimas num episódio tão blasé, mas tão cheio de significados. Difícil, hoje, não reconhecer a série como um dos grandes momentos da TV mundial. Por que, sim, a TV, especificamente as séries, vem mudando há alguns anos. O nível de produção sofisticado a que chegamos muitas vezes nos faz confundir as atrações televisivas com um filme hollywoodiano (vide o episódio piloto da série Fringe). Não acredito que essa revolução tenha COMEÇADO com Lost (ainda colocaria na esteira, antes da série da ilha, Twin Peaks, Arquivo X, Carnivàle, The Sopranos...), mas muito foi acrescentado a partir dela.

E tudo começou com um avião caindo numa ilha numa temporada com muitas perguntas e muitas teorias. E não foram os Outros, Iniciativa Dharma ou uma série de mcguffins que mantiveram os lostmaníacos vidrados. Estávamos mais preocupados em descobrir, “tintintim por tintintim”, mais sobre as vidas de Jack, Kate, Sawyer, Locke, Hurley e muitos outros. E como conhecemos pessoas. O brilhante roteiro lidou com um infindável elenco de personagens excêntrica e intrinsecamente bem construídos. Sim, por que é fácil criar uma trama cheia de mistérios. O difícil é criar tantos personagens interessantes. E as últimas temporadas ainda propuseram uma ousada mudança de gênero: se a ficção científica explicava os acontecimentos da ilha, aos poucos a fantasia tornou-se o gênero recorrente da série.

Muitas pessoas reclamavam que não podiam assistir um episódio solto de Lost. Eu discordo em parte. Algumas histórias funcionam muito bem sozinhas, como a sensacional origem de Sawyer ("Outlaws"), a maluca viagem temporal de consciência ("The constant") e as premonições de Desmond ("Flashes Before Your Eyes") ou ainda o conto de crime que marcou o último episódio do brasileiro Rodrigo Santoro no seriado ("Exposé"). Destacam-se também os bombásticos fins de temporada, alguns deles mudando a ótica da série completamente. Tudo isso mesmo sofrendo com a greve dos roteiristas norte-americanos no meio do caminho. Agora fica aquele ar nostálgico e um buraco aberto: quem virá a substituir Lost¹? E sobre as respostas que muitos esperavam nesse último episódio, eu falo: quem se importa com elas? Nem na nossa vida encontramos as respostas que precisamos. E é sobre isso que Lost tratava.

Namastê!

¹ Muitos diziam que o buraco deixado por Lost seria preenchido pela série Flash Forward. Assisti alguns episódio e achei a série, repleta de física e carente de personagens, mais rasa que um pirex. Mas não fui só eu. A série foi cancelada nessas semanas pela baixa audiência.

0 comentários: